quinta-feira, 12 de maio de 2011

M. A. Pina

Real, real porque me abandonaste?
E, no entanto, às vezes bem preciso
de entregar nas tuas mãos o meu espírito
e que, por um momento, baste
que seja feita a tua vontade
para tudo de novo ter sentido,
não digo a vida, mas ao menos o vivido,
nomes e coisas, livre arbítrio, causalidade.
Oh, juntar os pedaços de todos os livros
e desimaginar o mundo, descriá-lo,
amarrado ao mastro mais altivo
do passado! Mas onde encontrar um passado?
Manuel António Pina, Os Livros. Assírio & Alvim [poemas perdidos]

3 comentários:

  1. ]nice site,,beautiful.,
    visit our site too.
    thanks

    ResponderEliminar
  2. great blog .,/,amazing
    pls visit us back
    thanks

    ResponderEliminar